quinta-feira, setembro 13, 2012

Exposição fotográfica "Nos Caminhos Afro" está reaberta no Museu do Negro



Brunella França
Dois homens jogando capoeira em frnte a um casebre na periferia de uma cidade
A exposição "Nos Caminhos Afro" apresenta 170 fotografias analógicas e em preto e branco do fotógrafo viajante Pierre Verger
O Museu Capixaba do Negro "Verônica da Pas" (Mucane) reabre a exposição "Nos Caminhos Afro", apresentando 170 fotografias analógicas e em preto e branco do fotógrafo viajante Pierre Verger. A exposição havia sido fechada por problemas de infiltração em uma das salas do local.
As imagens de Pierre Verger foram bastante utilizadas por pesquisadores e, nesta exposição, é possível ver fotos tiradas em vários países ao redor do mundo. Verger registrou a cultura negra em diferentes lugares entre as décadas de 1930 e 60.
Mais de mil visitantes já prestigiaram a exposição, que pode ser vista até o dia 7 de outubro, de terça-feira a domingo, sempre das 9 às 17 horas.
Já estiveram no museu visitantes de vários estados, como Pernambuco, Rio Grande do Sul, Brasília (DF), Paraná, Santa Catarina, Maranhão, Pará, Rio de Janeiro e São Paulo, e também de outros países, como Colômbia, França, Argentina, Holanda, Alemanha e Chile.
Na próxima semana, terão início as aulas das oficinas de Canto de Matriz Africana, Capoeira, Percussão. Os alunos serão informados por telefone sobre o dia e o horário de início de cada turma.

Caminhos

Brunella França
Detalhe da mão de um homem segurando instrumento ritualístico do candomblé
As fotografias poderão ser vistas no Mucane até o dia 7 de outubro
Fotos encantadoras mostram que seu testemunho sobre a cultura baiana é um dos mais relevantes e poéticos feitos até então e até hoje. O francês revela afrodescendentes praticando atividades rotineiras e fez também retratos de práticas religiosas. Documentou festas públicas e seus participantes devotos e rituais de caráter privado.
Mas a Bahia não foi o único estado brasileiro com o qual Verger se encantou, ele foi atraído também pelo Rio de Janeiro, Maranhão e Pernambuco. Na exposição, há registros feitos também na Paraíba e Alagoas. Podem ser vistas fotos de costumes como a Festa de Iemanjá, o Carnaval, Bumba-meu-boi e a Festa de Bom Jesus dos Navegantes.
Bem antes do fim da escravidão, alguns baianos libertos voltaram para suas nações de origem no Golfo do Benin. Desta forma, Verger encontrou na África festas populares de origem brasileira, como a Festa do Bonfim, assim como construções com arquitetura tipicamente nordestina, fotografando, também, os negros brasileiros que voltaram para seu país de origem. E tudo isso pode ser visto na exposição.
Em "Nos Caminhos Afro", também é possível assistir a "Olhares Nomades", 28 minutos – 2005, que apresenta, com uma trilha sonora convidativa, 600 fotografias da cultura popular nordestina projetadas em uma sala especial. A exposição também exibe o documentário "Pierre Fatumbi Verger: mensageiro entre dois mundos", 82 minutos – 1999, com direção de Lula Buarque de Holanda, que tem o registro de Gilberto Gil entrevistando Pierre Verger.

SERVIÇO

Exposição “Nos Caminhos Afro” – fotografias de Pierre Verger
Quando: até 7 de outubro. De terça-feira a domingo, sempre das 9 às 17 horas.
Onde: Museu Capixaba do Negro "Verônica da Pas" (Mucane). Avenida República, 121, Centro.
Mais informações: 3132-8372.
Entrada gratuita.

Um comentário:

SUA PARTICIPAÇÃO É MUITO IMPORTANTE.